A edição de 21 de setembro de “Música e Meditação no Escuro”, com os Trovadores Urbanos, terá a participação do Monge Daniel Calmanowitz, no Teatro Unibes Cultural.

18 de setembro de 2018 18:48
“Musica e Meditação no Escuro” tem por objetivo maior mostrar ao público os benefícios da Meditação e, ao unir a Música a ela, mostrar como é fácil usar essa técnica para conquistar a paz de espírito.

Um compromisso espiritual e uma busca da espiritualidade através da música e da meditação. Assim pode ser definido o que procura levar ao público o evento especial, desenvolvido pelos Trovadores Urbanos, que busca dar a oportunidade de todas as pessoas conhecerem a técnica da Meditação. Para esse Grupo que canta (e encanta!) há mais de 28 anos pela cidade de São Paulo compartilhando amor e afeto, unir Música à Meditação foi um caminho natural. O público que já participou de algumas edições desse evento, aprova e quer voltar sempre. Porque precisamos de equilíbrio, de paz de espírito, precisamos deixar o stress da correria de lado e aprender a viver a vida com maior serenidade.

E dessa vez, o convidado a dirigir a “Música e Meditação no Escuro” é o Monge Daniel Calmanowitz. “Sempre acreditei que a busca espiritual gera energia para que a gente lide com determinados assuntos de maneira mais tranquila”, diz o Monge Daniel, que conheceu seu mestre – Lama Gangchim – no ano de 1987 e, a partir daí, começou a trilhar seu caminho espiritual. Segundo ele, sua maior dificuldade durante a estadia no monastério foi a adaptação aos costumes e modo de vida dos tibetanos.

A vida em um monastério é repleta de reflexões, orações, simplicidade. Os monges se dedicam a rezar, estudar e trabalhar com o objetivo de se aproximarem cada vez mais da espiritualidade. Existem monges que seguem diversas religiões e aqueles que se dedicam ao Budismo seguem uma vida monástica e clausural, o que implica ter que afastar-se da sociedade e se dedicar à vida religiosa. Uma vida que exige muita disciplina. Monge Daniel Calmanowitz afirma que seu maior objetivo na vida é morrer com a sensação de missão cumprida e, ao olhar para seu passado, ver que fez algo de significativo.

Monge Daniel Calmanowitz é também um dos criadores do Centro Dharma da Paz, que tem sua sede na rua Apinagés, e é uma associação religiosa sem fins lucrativos, fundada em 1988, e dedicada ao estudo da filosofia, à prática do budismo tibetano e ao desenvolvimento da Cultura da Paz para todos os seres e todo o meio ambiente.

“Música e Meditação no Escuro” é uma vivência que acontece desde 2015 e tem início com a condução do Monge no ato de meditar em si, com todos se concentrando em sua respiração, mantendo a mente livre de pensamentos. Assim que os seresteiros começam a cantar, a percepção do público se torna mais sensível e música e melodia acabam por fazer sentido de maneira diferente do usual. O grande benefício é o aprendizado dessa prática que equilibra todo o corpo físico e também o emocional e espiritual de cada participante. Cada pessoa tem um momento de paz diferente e único nessa vivência.

A edição de 21 de setembro de “Música e Meditação no Escuro”, que acontecerá no Teatro Unibes Cultural, às 19h30, já tem lotação esgotada.

 

Compartilhe