Seresteiros do Rio São Francisco

O Brasil não conhece mais seus seresteiros e sua maior expressão, o grande artista Silvio Caldas, faleceu em 1998. Em homenagem ao caboclinho querido, os seresteiros Trovadores Urbanos iniciam uma documentação de seresteiros pelo país.

Inicialmente, produziram um documentário, em coparceira com a documentadora Patrícia Pacini,  no norte de Minas, nas barrancas do Rio São Francisco.

30 seresteiros foram entrevistados e documentados nessa região, gerando o documentário “OS SERESTEIROS DO RIO SÃO FRANCISCO”.

Em 2016 está prevista a viagem para o interior de São Paulo, onde será produzido um documentário sobre os seresteiros entre São Paulo e Araçatuba, beirando a trajetória do Rio tiete.

Uma parceria com a Negrita Filmes.

Se você quiser assistir ao documentário SERESTEIROS DO RIO SÃO FRANCISCO, envie um email para: institutotrovadoresurbanos@trovadores.com.br


Release

O rio São Francisco, também chamado de Velho Chico, foi descoberto há mais de 500 anos pelos navegadores Américo Vespúcio e André Gonçalves.

Os índios da região o chamavam de Opara (rio-mar), mas foi batizado de São Francisco, em homenagem a São Francisco de Assis.

Conhecido popularmente como “ Velho Chico”, é um rio de grande importância econômica, social e cultural percorrendo 5 estados brasileiros. Palco de muitas serenatas, o rio mais poético do país “transborda” criatividade e boas histórias.

Foi na região de Minas Gerais, do médio São Francisco, que Maida Novaes – jornalista e seresteira do grupo Trovadores Urbanos – e a historiadora Patricia Pacini produziram o documentário “SERESTEIROS DO RIO SÃO FRANCISCO”.

Numa expedição de 12 pessoas, visitaram quatro cidades barranqueiras do norte de Minas Gerais – Pirapora, São Francisco, São Romão e Januário – retratando a cultura e, principalmente, a sonoridade dos seresteiros dessa região.

O documentário mostra pessoas de todas as idades embalados pela vida simples, violão em punho e acordes que encantam. Os seresteiros barranqueiros cantam músicas que falam de lendas, carrancas, vapores, saudades, amores, além de temas atuais e importantes como a grande seca e a transposição do rio São Francisco.

Foram realizados, ainda, shows dos Trovadores Urbanos nas quatro cidades, em praças públicas, promovendo uma troca de cultura entre o grupo de seresta de São Paulo e todos os seresteiros da região.

O documentário tem duração de 1 hora e 15 minutos, o filme é uma iniciativa dos Instituto Trovadores Urbanos com a historiadora Patricia Pacini e tem o apoio da Pow Filmes, de Armando Polli e Sanny.

O rio São Francisco tem mais de 3 mil km de extensão e banha 5 estados brasileiros e, em Julho de 2015, será realizada uma nova expedição documentando os seresteiros da região da Bahia.

O objetivo do Instituto trovadores Urbanos é documentar os seresteiros de várias regiões do Brasil.
Em 2016 está prevista a viagem para o interior de São Paulo, onde será produzido um documentário sobre os seresteiros entre São Paulo e Araçatuba, beirando a trajetória do Rio tiete.

Uma parceria com a Negrita Filmes.

Se você quiser assistir ao documentário SERESTEIROS DO RIO SÃO FRANCISCO, envie um email para: institutotrovadoresurbanos@trovadores.com.br